quarta-feira, 10 de abril de 2013

"TENTAÇÃO E SEDUÇÃO"

Para vencer a tentação é preciso estar fortalecido no Senhor e na força do Seu poder (Ef. 6:10).


Seduzir é desencaminhar, atrair ou fascinar alguém, é inclinar o próximo ao mal ou ao erro. Um exemplo de sedução está no início da existência humana (Gn. 3:6), Eva foi seduzida pela serpente, depois, Adão foi seduzido por Eva a cometer o mesmo erro. Assim começa se espalhar a religiosidade no meio evangélico, começa por um que diz ao outro, que diz à outra, e quando alguém percebe muitos estão perturbados e endemoninhados sem sair da igreja. A religiosidade se espalha de tal forma que mais parece uma praga contagiosa (II Tm. 2:16-18).
Eva, com certeza, já vinha reparando aquela árvore bonita que tinha um fruto diferente das outras, e quando a serpente usou o argumento que ela queria ouvir, optou (usando pela primeira vez seu livre-arbítrio) em pegar do fruto que Deus havia proibido. As palavras da serpente, que foi a primeira médium, foram sedutoras, irresistíveis. A Bíblia Sagrada relata exatamente o que a mulher pensava daquela árvore:
  • BOA PARA SE COMER;
  • AGRADÁVEL AOS OLHOS; e
  • DESEJÁVEL PARA DAR ENTENDIMENTO.
Prova que aqueles que são “inocentes” se forem seduzidos, somando com a curiosidade de saber o que é deixar de ser “inocente”, podem cair a qualquer momento. Por exemplo:
O homem (cristão) que sempre foi fiel à esposa, nunca deu motivo de ciúmes, sendo fiel e atencioso com sua família, um marido e pai perfeito, de uma hora pra outra começou a andar ou conversar com alguem e começa a desejar ter casos extraconjugais. Nem mesmo dorme direito, e toda mulher bonita que vê tem pensamentos desejosos e fantasias sexuais. Até que um dia, seduzido, comete adultério.
O filho bom, obediente, de uma hora pra outra está revoltado, rebelde, xinga e maltrata os pais e família. Alguém que já era desobediente aos pais começou a andar com ele, e estas coisas não acontecem apenas com os incrédulos... no meio evangélico existem os sedutores de plantão.
A mulher fiel que pensa: ‘Estou a tantos anos vivendo com o mesmo homem como será ter relações sexuais com outro homem, que também é crente como eu?’ Sua curiosidade é despertada, seduzindo-a e isto lhe toma conta da mente. E após o ato, o adultério, ou a prostituição, pode se tornar também uma sedutora, porque começa a revelar seus sentimentos promíscuos a outros.
O sedutor nunca mostra o lado ruim das coisas, só mostra o que é bom, despertando a curiosidade e tornando tudo fascinante, como: o primeiro cigarro – “homem que é homem fuma”; o primeiro trago de maconha – “você vai fazer uma viagem”; o primeiro gole de bebida alcoólica – “quem bebe conquista muitos amigos”. Estas e outras frases convencem e o “inocente” no assunto em questão é enganado.
Eva encontrou a oportunidade de comer do fruto proibido e, em seguida, Adão também comeu. Caiu em pecado, diferentemente de como Eva caiu (I Tm. 2:14), Adão sabia que não podia comer aquele fruto, mas, mesmo sem ser enganado, comeu. Era sedutor conhecer o bem e o mal, ele também tinha a curiosidade. Aquela árvore era diferente e já que a mulher comeu e não morreu como Deus disse que aconteceria (Gn. 2:17), tomou do fruto proibido. Quando foi procurado por Deus, como aconteciam todas as tardes, se escondeu e colocou a culpa em Eva.

Para vencer a tentação é preciso estar fortalecido no Senhor e na força do Seu poder (Ef. 6:10)