terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

"SEREIS ODIADOS POR CAUSA DO MEU NOME" (Lucas 21:17)




O Senhor Jesus ensinando Seus discípulos acerca do final dos tempos, dos últimos dias. E, por causa destes acontecimentos, aqueles  que são cristãos, SEGUIDORES DE CRISTO, sofrerão perseguição por causa do Nome de Jesus, citado por eles para salvação de toda alma.
Fiz uma pequena pesquisa sobre “nome”, a importância de um nome. Um certo site internacional divulgou em uma pesquisa que 64,5% dos que responderam sua enquete, disseram que o nome está intimamente ligado aquilo que a pessoa se torna. E que pode acontecer de um nome estranho interferir na contratação de um profissional, gerando preconceitos. Disseram ainda, que nomes esquisitos na infância geram crianças inseguras e menos propensas a desabrocharem em adultos bem-sucedidos, podendo tornar-se uma pessoa retraída e sem confiança em si mesma.
Na verdade, o nome até pode causar várias impressões antes mesmo de conhecermos a pessoa. A Palavra de Deus leva muito a sério este assunto, mas, independente do que a pessoa carrega por causa do “nome”, ou, de sua personalidade, Deus dá sempre um escape para estas situações.
Entre os hebreus poderia ser comum acontecer quando nascia uma criança, dava-lhe um nome (Gn. 35:18), e outro quando se circuncidava (Lc. 1:59). E, Deus, também mudou o nome de Seus escolhidos, e aqueles em que seus nomes (significados) não condiziam com suas tarefas e funções, ora ministradas por Deus. Foi assim com Abrão, que se tornou Abraão (pai de nações – Gn. 17:5); e Jacó (enganador) para Israel (Gn. 35:10).
Mas, meditava eu ainda, e vi que o nosso inimigo espiritual, que muitas vezes quer imitar o que Deus faz, mas com suas intenções diabólicas e malignas, mudou os nomes de quatro jovens, quando Israel fora escravizado pelo reino babilônico. O significado dos nomes destes quatro jovens exaltavam o seu Deus, o Deus verdadeiro. Eram eles: DANIEL – cujo nome significa Deus é meu juiz; HANANIAS – Deus é misericordioso; MISAEL – Ninguém se compara a Deus; e AZARIAS – Deus é meu socorro.
Eram agora escravos babilônicos e tiveram seus nomes trocados fisicamente, mas espiritualmente a essência do coração de cada um era a mesma. Daniel, se tornou Beltessazar, que em babilônico quer dizer: Bel (deus babilônico) proteja sua vida; a Hananias, denominou Sadraque – amigo do rei; a Misael nominou Mesaque – quem é como o deus Lua?; e a Azarias deu o nome de Abede-Nego – servo do deus mercúrio (Dn. 1:6-7).
Mas de nada adiantou, porque eram jovens comprometidos com Deus, e esta mudança não afetou suas personalidades e nem os seus costumes. O mundo, as circunstâncias, não influenciaram suas vidas, e nem se sentiram motivados a mudanças que sabiam que não agradavam ao seu Deus, e ao que haviam aprendido desde criança. Foram homens bem-sucedidos no reino estrangeiro, ainda mesmo sendo escravos, o que também não afetou suas mentes e nem se sentiram inferiores. Pelo contrário, enfrentaram todas as dificuldades, colocaram à prova os reis e não se subordinaram às leis e regras que desafiavam sua fé em Deus. Fizeram jus o significado de seus verdadeiros nomes.

O seu nome e/ou personalidade não podem afetar seu desenvolvimento com relação a Deus e sua vida cotidiana. A maneira com que as pessoas te conhecem, mesmo sendo algo ruim – como Jacó conhecido por todos como “o enganador”, mas que teve sua história de vida transformada por Deus – pode ser alterado com sua mudança de atitude e com Jesus sendo aquele que transformará sua vida e o Espírito Santo que te guiará no caminho de Deus. Deus transforma tudo!