sábado, 13 de dezembro de 2014

"A BÍBLIA"



          Com o surgimento de muitos ensinamentos falsos, somos forçados a elaborar um estudo mostrando algumas provas da origem divina da Bíblia. Claro que para nós crentes em Jesus não precisamos de provas arqueológicas ou históricas para mostrar que a Bíblia é a Palavra de Deus. Colocamos nossa confiança por inteiro na Palavra de Deus sem precisar de provas para isso. Quando apresentamos algumas provas da Bíblia como a Palavra de Deus, não é para crermos que ela é divina, mas porque cremos que ela é divina.
          Nos últimos dias tem surgido muitas religiões e seitas heréticas, que por meio de falsos ensinos tem acrescentado à Biblia livros ou doutrinas, querendo mostrar que a Palavra de Deus não está completa, ao passo que ela mesmo declara que nada mais precisa ser acrescentado ou deva ser retirado dela: “E a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos nestes livros; e, se alguém tirar qualquer cousa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da arvore da vida, da Cidade Santa e das cousas que se acham escritas neste livro”. (Apocalipse 22:18-19)
         Existem muitos que se levantam contra a origem da Bíblia e sua inspiração: O QUE É INSPIRAÇÃO DIVINA?
          É a influência sobrenatural do Espírito Santo, é como um sopro sobre os escritores da Bíblia, capacitando-os a receber e transmitir a mensagem divina, sem mistura ou erro. Há muitas teorias erradas com relação à inspiração divina, mas, a correta é: TEORIA DA INSPIRAÇÃO PLENÁRIA OU VERBAL. Ela ensina que todas as partes da Bíblia são igualmente inspiradas; que os escritores não funcionaram como maquinas inconscientes, mas que houve cooperação vital e contínua entre eles e o Espírito de Deus que os capacitava (I Pe. 1:20,21). Ensina que a inspiração plenária cessou após ser escrito o ultimo livro do Novo Testamento, e que depois disso, nem mesmo os escritores nem qualquer outro servo de Deus pode ser chamado inspirado no mesmo sentido.
          Jesus aprovou a Bíblia:
·        Leu a Bíblia – Lc. 4:16-20
·        Ensinou a Bíblia – Lc. 24:27
·        Chamou a Bíblia de “Palavra de Deus” – Mc. 7:14
·        Cumpriu a Bíblia – Lc. 24:44
·        Afirmou que as Escrituras são a verdade – Jo. 17:17
·        Viveu e procedeu de acordo com ela – Lc. 18:31
·        Derrotou o inimigo, afirmando que a Bíblia é a Palavra de Deus – Mt. 4:10; Lc. 4:4,8
Em cada pessoa que aceita Jesus como Salvador, o Espírito Santo põe em sua alma a certeza quanto à autoridade da Bíblia. É algo que acontece instantaneamente. Não é preciso ninguém ensinar isso. Quem de fato aceita Jesus, aceita também a Bíblia como a Palavra de Deus, sem argumentar.


A Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Seu Autor é Deus mesmo. Seu real interprete é o Espírito Santo. Seu assunto central é o Senhor Jesus Cristo. Esta atitude para com a Bíblia é de capital importância para o nosso êxito como cristãos. Nossa atitude para com a Bíblia mostra nossa atitude para com Deus. Sendo a Bíblia a revelação de Deus, ela expressa a vontade de Deus. Ignorar a Bíblia é ignorar essa vontade.

sábado, 1 de novembro de 2014

"O MEDO DESTRÓI OS SONHOS"



          O medo é uma expressão emocional própria do ser humano. Ele é provocado por uma série de motivos, às vezes, motivos com fundamentos, outras, porém, por motivos infundados.
          A verdade é que, até certo ponto, o medo é positivo, mas pode tornar-se nocivo se não for controlado. Ninguém vive sem sentir medo em certos momentos da vida. Isso é provado pelas Escrituras quando lemos que lá no Éden, nos primórdios da vida do homem, Adão e Eva sentiram essa mesma emoção, que é o medo.
O QUE É O MEDO
          Como todas as outras emoções, é uma expressão afetiva acompanhada de reações intensas e breves do organismo. O medo expressa, em geral, por grande inquietação, intensa e desagradável, ante à expectativa de um perigo real ou imaginário, de uma ameaça ou de um susto. Traz um estado de sobressalto que pode levar ao pânico ou ao terror se for mais duradouro ou mais exagerado, ou ainda pode deixar o indivíduo sem ação.
          Sempre existe uma causa que provoca o medo. Mesmo que essa causa seja infundada. No caso de o medo se manifestar o efeito será manifesto através das atitudes. A pessoa fica com a mente bloqueada e não tem condições de raciocinar com lógica. Torna-se, então, dominada pelo medo e passa a crer de maneira errada porque o medo cancela a fé, e as coisas passam acontecer conforme o medo propõe (Jó 3:25).
VENCENDO O MEDO
          O cristão não pode se deixar levar pelo medo. Não pode fugir à sua realidade de filho de Deus, que recebe constantemente proteção do Pai. Na Bíblia, existe uma expressão de encorajamento que é registrada trezentas e sessenta e cinco vezes (conforme a versão) que diz: Não temas.
          Alguém já disse que é para o crente apoderar-se de uma por dia durante todo o ano. Isso serve de edificação, de firmeza na fé e de condição para repudiar o medo e exercer confiança no Senhor que pode todas as coisas (Mt. 28:18). O crente deve estar bem certo desta verdade e repetir as palavras do salmista, que diz:

“O Senhor é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei?   (Salmos 27:1).

sábado, 18 de outubro de 2014

"LIDANDO COM A INVEJA"



          A inveja é considerada como um gigante que aflige a alma de maneira tão terrível que pode levar o homem à prática de ações danosas tanto ao corpo como à alma. A inveja é tida como a prova de incapacidade que leva o indivíduo desejar que ninguém seja melhor do que ele ou que consiga progresso ou melhoria em sua vida.
           Meditando um pouco sobre os males resultantes da inveja, certamente o cristão há de procurar, por todos os meios, afastar tal sentimento do seu coração. A inveja desagrada a Deus e traz juízo para quem a pratica.
          A inveja é um misto de ódio, desgosto, pesar e ciúmes pelo bem e felicidade de outrem. O invejoso sente um violento desejo de possuir o bem alheio. Inveja é querer para si a prosperidade e a alegria de outra pessoa, quando essa possui algo mais.
          É sabido que todas as atitudes do ser humano tem início na mente, isto é, no pensamento. A ordem correta dos acontecimentos é: pensar, sentir e agir.
          O apóstolo Paulo comparou os crentes de Corinto a “meninos em Cristo” (I Co. 3:1), que por assim dizer eram imaturos, não possuíam profundidade espiritual. Por tal razão, ele não podia oferecer-lhes um alimento sólido, um ensino profundo das Escrituras. Mas lhes oferecia leite. Eles, por sua vez, continuavam meninos na fé, consentindo que satanás usasse suas mentes para criar situações prejudiciais à vida espiritual. Por isso, existiam invejas, porfias, contendas por assuntos mesquinhos, o que criava facções dentro da igreja. Prova cabal de falta de espiritualidade. Maquinavam em suas mentes carnais pensamentos acerca dos líderes sobre coisas que não existiam (I Co. 3:3-9).
          Deus não distribui igualmente os bens entre os homens. Algumas pessoas recebem mais, outras menos; umas sofrem mais do que outras; algumas são mais pobres, outras mais ricas; uns mais, outros menos inteligentes. É necessário que se entenda essa verdade. É justamente tal diversidade que proporciona o tom de equilíbrio da vida.
          Algumas pessoas por sua perseverança, trabalho, esforço, por sua fidelidade a Deus ou mesmo pelas oportunidades que aparecem, vão conseguindo alcançar algo mais e passam a viver em melhor situação. Deve-se ser feliz com aquilo que possui, valorizar o que Deus tem proporcionado. Viver o presente e ter um coração agradecido. É claro que sonhar e trabalhar honestamente para fazer conquistas é próprio do homem. Deus não é contrário a tais atitudes, contando que Ele ocupe o primeiro lugar e as vantagens materiais não sirvam de empecilhos à fé (Mt. 6:33).




sábado, 23 de agosto de 2014

LIVRO SEGUIDOR DE CRISTO: CAPITULO 12



QUEM É SEGUIDOR DE CRISTO?



Quem está a procura do que interessa a si próprio? Esforça-se além de suas forças com a finalidade de receber em troca algo material de outra pessoa ou de alguma crença? Ou, acha que a maneira menos difícil de se chegar a Deus é sendo caridoso, ajudando aos pobres!? São estes os SEGUIDORES DE CRISTO?
E aqueles que só lembram de Deus em situações desesperadoras, pensam que servir Jesus é o mesmo que procurar um comprimido quando está com dor de cabeça. Conseguindo o que querem, simplesmente desaparecem, O abandonam. Quando estão com problemas, buscam a Deus intensamente, e, ao receber a solução deixam de orar e jejuar; com o aumento do salário que tanto pediam passam a ser infiéis nos dízimos e nas ofertas, até que começam a sofrer uma nova situação difícil. E pior! Pensam ser outra prova de Deus, e na verdade, é conseqüência da desobediência.
Jesus tinha este tipo de pessoas no meio da multidão de discípulos que O seguia. Desta vez não eram os fariseus, eram pessoas comuns que seguiam Jesus, não pela Sua doutrina ou que se maravilhavam ao ver os milagres que Ele operava, e sim, com interesses pessoais, onde Jesus estava poderiam até comer de graça. Referente a isto que Jesus falou: “-Vós Me procurais não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes” (Jo. 6:26-27). Ora, aquelas pessoas tinham visto e participado do milagre da multiplicação dos pães que Jesus realizara só que seus olhos não estavam neste milagre, e sim, no milagre de seus estômagos cheios. E nem se deram conta de que Jesus era Aquele que tanto aguardavam, e de quem falavam os profetas seus ancestrais.
 Jesus ama suprir as necessidades das pessoas, isto faz parte de Sua Natureza Divina! Mas, muitos só querem receber milagres, e não conseguem ou não se esforçam, ou ainda, não querem mesmo, aceitar as doutrinas e andar conforme a vontade de Jesus e de Seus ensinamentos. Ao serem surpreendidos com a sabedoria do Mestre, relatando exatamente o que pensavam e o que faziam ali, perguntaram ao Senhor: “... que faremos para realizar as obras de Deus?” Deu para perceber o cinismo nesta pergunta? Como se estivessem falando uns com os outros: “-Já que descobriu o nosso interesse, vamos ouvir o que Ele quer que façamos”.
Jesus respondeu: “-A obra de Deus é esta, que CREIAIS naquele que Ele enviou”. Resposta simples, mas muito clara e objetiva. Começou o Senhor a explicar-lhes como deveriam realizar a obra de Deus, primeiro, crendo em Jesus, depois, deixando os interesses próprios para realizar a vontade de Deus.
Aí está a maior dificuldade das pessoas! Crer em Deus, muitos podem dizer da boca pra fora que acreditam só os ‘crentes’ (aquele que acredita) pode realizar a obra de Deus. Mas, fazer a vontade de Deus, poucos podem afirmar com convicção, porque, na verdade, não são palavras que mostram a obra de Deus na vida de uma pessoa, são as atitudes, são as obras. Não está na teoria e sim na prática diária!
Jesus em forma de Homem comum nos deu exemplo ao dizer que não veio fazer Sua vontade, mas a do Pai que O enviou. O servo não tem vontade própria, suas vontades são as de seu dono. Todas as vezes que o servo desobedecia a seu dono, sofria conseqüências. Deus não castiga ninguém, mas a desobediência abre brecha para as conseqüências. Quem planta, obviamente, deve colher. Ou o bem, ou o mal.
Jesus só chegou nesta questão de fazer a vontade de Deus porque perguntaram a Ele: “... - Que sinal fazes para que o vejamos e creiamos em Ti? Quais são os Teus feitos?”.
Eles queriam ainda mais milagres para acreditar em Jesus, o que também não adiantaria! Muitos vivem obcecados por milagres e revelações, vive de igreja em igrejas, achando que uma é mais forte que a outra, que numa Deus opera mais que na outra; que determinado pastor fala mais bonito, tem o sermão de acordo com seus interesses do que o outro que fala à Luz do Evangelho; ou que os irmãos que freqüentam esta não são fofoqueiros como os daquela denominação; e que numa congregação tem oportunidades e na outra não; e jovens que procuram por igrejas que tenham muitas atividades, como: esportes, gincanas, passeios, jantares... (não sou contra estas atividades, acho que são necessárias para ganhar jovens, desde que em seguida venha todo apoio espiritual e não transforme a igreja em apenas um clube ou ponto de encontro); e, na verdade, não querem assumir viver a vida de Jesus, ou seja, fazer a vontade Dele. Vivendo assim, buscando os seus interesses e aquilo que lhe convêm, este irmão está jogando fora sua salvação.
Jesus ensinou alguns itens de Sua Poderosa Doutrina de TRANSFORMAÇÃO DE VIDA àquelas pessoas, e o que disseram?: “Muitos dos Seus discípulos, tendo ouvido tais palavras, disseram: Duro é este discurso, quem o pode ouvir?” Jesus respondeu: “ - O Espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que vos tenho falado, são Espírito e são VIDA (EVANGELHO). Mas há alguns entre vós que não crêem”.
Poderíamos pensar que depois destas palavras eles se arrependeram e creram! Pelo contrário (Jo. 6:66):”À vista disso, muitos dos Seus discípulos O abandonaram e já não andavam com Ele”. O quê? Até Jesus fora abandonado por Seu povo? Exatamente! Aquelas pessoas seguiam Jesus, eram consideradas ‘discípulas’ mas não haviam permitido a TRANSFORMAÇÃO EM SUAS VIDAS. O verdadeiro cristão crê em Jesus não por aquilo que Ele nos dá, mas por o que Ele representa para nós. Nosso Exemplo de vida! Cumpriu a vontade de Deus aqui na terra, vivendo como homem comum. Quando chamou Seus discípulos, disse apenas que O seguissem e não prometeu nada material, aliás, o que é material e físico podemos adquirir através das milhares de promessas que estão em toda a Bíblia. A receita da benção financeira e material já está escrita e determinada, basta seguirmos os mandamentos que vêm sempre junto com a promessa! Devemos confiar e Deus nos dará tudo que precisamos. A única promessa que Jesus fez foi transformar-nos em ‘pescadores de homens’.
Caro leitor, se você imagina que servir a Deus e segui-Lo é uma tarefa difícil, abra sua mente para entender as maravilhas que Jesus tem preparado para sua vida.


  1. DEPENDÊNCIA


Por que os nossos problemas não são, muitas vezes, imediatamente resolvidos? Será que Deus mudou?
Deus nunca mudou e nem mudará, é IMUTÁVEL (uma de Suas características como Deus). Os homens (suas gerações) mudam constantemente. Deus é o mesmo, ontem hoje e sempre! A dificuldade das pessoas em entender que Deus está sempre pronto a nos conceder o que precisamos desde que não irá nos prejudicar, e que não prejudicará o próximo, é muito grande. E quando o pedido, ou a intenção de pedir não nos agrada interiormente, indo contra os princípios humanos da moral e ética, certamente, não vai agradar a Deus, e não será da vontade Dele. Deus nunca nos dará algo que será danoso. E muitos não compreendem a natureza divina, e querem a todo custo o que desejam, passando por cima das pessoas e criando contendas. Deus enxerga o nosso amanhã, o nosso futuro...
Tiago disse que são estes capazes de matar por aquilo que querem. Sendo crentes podem magoar um irmão com suas palavras e atitudes.
O SEGUIDOR DE CRISTO e DEPENDENTE DE DEUS não pede a Deus, apenas para si mesmo, e sempre se lembra da sua família, amigos e conhecidos. Jesus disse aos Seus discípulos (Jo. 14:13): “-E tudo quanto pedirdes em Meu Nome, Eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho”. No verso seguinte, Ele repete: “-Se pedirdes alguma coisa em Meu Nome, Eu o farei”, porém, no v. 15 diz: “Se Me amardes guardareis os Meus mandamentos”.
O que significa isto? Jesus manda pedir TUDO no Nome Dele. Ora, tudo é tudo... mas, em seguida Ele completa: “COM AMOR E CONFORME OS MEUS MANDAMENTOS”, ou seja, os mandamentos de Jesus giram em torno do amor. Se existe AMOR no cristão, tudo o que Ele pede é da vontade de Deus, e, consequentemente, lhe será concedido conforme está escrito nos mandamentos bíblicos, e através do Nome de Jesus. O que aprendemos aqui: o que pedimos deve ter respaldo na Bíblia! Conforme está escrito.
Há uma aliança entre nós (cristãos) e Jesus! Tudo o que é nosso passou a ser Dele, e o que é Dele é nosso. E Ele nos concedeu o Espírito Santo que nos guia a fazer a vontade Dele. Sendo assim, devemos nos entregar totalmente a Ele. Tudo precisa ser, em primeiro lugar, como o Espírito Santo que habita em nós quer, e não como a nossa carne quer e pede. Os sonhos de Deus devem tornar-se nossos sonhos. E assim, seremos felizes, se vivermos DEPENDENTES DELE.
Os milagres de deus estão em Suas Promessas, e são para quem acredita. Cristianismo é ter fé, não se detendo em opiniões humanistas. Ouvindo e praticando as doutrinas de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não estando debaixo da escravidão do diabo, que é a religiosidade (Gl. 5:1).
Cristianismo é isto! Viver para Deus. Os milagres acontecem por causa da fé nas Promessas de Deus, mas, isto não quer dizer que precisamos de um milagre para continuar nossa caminhada ao lado de Jesus. As bênçãos virão e nos alcançarão, se obedecermos a Deus e andarmos conforme Seus mandamentos (Dt. 28:1-2).
Tamanha importância é a de nos desligarmos das coisas do mundo. Tirar nossa esperança daquilo que possuímos ou conhecemos, e colocar nossa dependência em Jesus. Ninguém espera o que vê! A esperança alimenta nossa fé em Jesus (Rm. 4:18-19). O salmista Davi, inspirado, disse (Sl. 40:1): “Esperei com paciência no Senhor, e Ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor”. Temos que acreditar em sua provisão, sem perder a esperança, pois, quando ela acaba, perde-se também a fé. Deixemos que Ele administre nossa vida, através do Espírito Santo em nós.
Não tenha medo! Confie! É impossível com a nossa mente humana, raciocinar a Grandeza de Deus. Mas, pode-se confiar nela. Aquele que criou o planeta Terra, as estrelas, o sol, a lua, os outros planetas, não é uma simples imagem de escultura, como já sabemos; e nem está pendurado numa cruz; e não pode ser representado por ídolos de madeira, barro, louça, ferro, bronze, alumínio, vidro, ouro e prata feitos por mãos humanas. Ou, um homem que durante o tempo em que viveu fez caridades, deixou seu luxo material, foi um estudioso, fundou uma religião conforme seus conceitos humanistas ou humanitários, e, após sua morte é lembrado e idolatrado pelas seitas que constituiu.
O Deus Verdadeiro, Ele cuida das estrelas (Is. 40:26); das aves do céu e dos lírios do campo (Mt. 6:26,28); quanto mais de Seus filhos feitos à Sua imagem e semelhança. Além disto, Ele criou os anjos para adorá-Lo e separou alguns com uma missão especial, a de proteger Seus filhos aqui na terra, em diversas ocasiões difíceis. São enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação (Hb. 1:14), e o “Anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem” (Sl. 34:7).
Diante de tamanha Grandeza Divina, e de poder, o SEGUIDOR DE CRISTO não tem nada a temer neste mundo; nem aos demônios; nem aos homens. Toda proteção nos é concedida como cristãos. Os que estão no mundo não têm esta proteção. A religião ensina sobre os anjos-da-guarda e que todas as pessoas tem um. Mentira! Filhos de Deus tem a companhia de um anjo designado pelo próprio Deus, e estes filhos a que me refiro, são os SEGUIDORES DE CRISTO. Nenhum crente pode ordenar um anjo... é Deus quem dá ordens aos Seus anjos (Sl. 91:11). Quando não se é SEGUIDOR DE CRISTO, o anjo que acompanha, não é anjo-da-guarda, pelo contrário, são anjos do mal, são espíritos malignos cuja missão é: roubar, matar e destruir.
Jesus é tão Poderoso quanto Deus-Pai, em João (1:1-3) Jesus estava no principio com Deus, todas as coisas foram feitas por intermédio Dele e sem Ele nada do que foi feito se fez. Enganosamente, a religião ensina que Jesus era um profeta enviado de Deus, Jesus não era um simples profeta, é o Filho de Deus. Enquanto esteve aqui, tornou-Se homem, porque veio como homem, ao ressuscitar dos mortos, encontrou-se com os discípulos e antes de subir aos céus nos revelou (Mt. 28:18): “-É Me dado todo o poder nos céus e na terra” . Ele tem o domínio! Está tudo em Suas mãos. Por que não depender deste Deus Poderoso que nos criou? Nascemos para isto!

  1. DEUS EXISTE

As referencias bíblicas de Salmos 91:15, Isaías 55:6, Jeremias 29:13 e 33:3, são alguns textos onde se pode encontrar respostas para as perguntas:
  1. Será que Deus existe?
  2. Se Deus existe, por que há tanto sofrimento?
  3. Por que pessoas sofrem com doenças e morrem?
  4. Por que tanta miséria?
Esses e outros questionamentos saem da mente humana e os ‘especialistas’ no assunto dizem que isso faz parte da personalidade de cada pessoa, ou são predestinados ao sofrimento.
Certamente a personalidade pode contribuir para o sofrimento, por isso se deve ter a vida e o caráter de Jesus. Mas, geralmente, o homem sofre porque deu as costas para Deus e não se lembra em buscá-Lo ou clamar a Sua infinita misericórdia. O homem lembra de Deus assim:
  • Deus não me ama; ou
  • Deus está me castigando; ou ainda
  • Deus me fez nascer para sofrer neste mundo, seria melhor se não tivesse nascido.
O salmista Davi escreveu (Sl. 139:16):
“Tu me viste antes de eu ter nascido. Os dias que me deste para viver foram todos escritos no Teu livro quando ainda nenhum deles existia”.
Antes do nosso nascimento, Deus já havia escrito nossos dias. E será que incluiu nos Seus escritos os dias maus? O divórcio, as dívidas acumuladas, o filho nas drogas, o marido alcoólatra ou desempregado... isto e outras, estava tudo determinado? Não! Deus traçou uma linha para o homem seguir nela, porém, não interferiu quando este deixou de seguir a linha que lhe foi determinada, mesmo antes de seu nascimento. Aí, surgiram todas as dificuldades e as necessidades. O início foi no Jardim do Édem.
Deus nos deu a liberdade de escolha, para escolhermos o caminho a seguir: o bem ou o mal; o amor ou o ódio; a paz ou a guerra; o casamento feliz ou o divórcio; a vida ou a morte; a santidade ou o pecado. E Deus, repito, nunca irá interferir na escolha.
Quando Deus criou Adão, sabia o que aconteceria no futuro (Ele é Onisciente). Por que, então, Deus permitiu que Adão pecasse? O primeiro homem escolheu sair da linha, do “plano original” que Deus havia lhe traçado. E pagou pelo seu erro.
Hoje, ouvem-se muitas pessoas falando sobre liberdade de escolha, livre arbítrio, direitos! Todos têm o direito de escolher pela vida religiosa e espiritual que querem ter; o direito de escolher a quem querem servir. A palavra ‘escolher’ entende-se que há no mínimo duas alternativas: Josué pediu ao povo israelita escolher a quem queriam servir, “... se aos deuses a quem serviam seus pais (idólatras)... ou aos deuses dos amorreus”. E, ele, Josué, teria uma terceira alternativa: “... eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Js. 24:15).
As opções nos são oferecidas de diversas maneiras, podemos, simplesmente, optar pelo direito de onde queremos comer e o que comer; o que queremos assistir, ouvir; o direito de optar pelo time que queremos torcer; optar pela roupa que vestir; o político que queremos como representante; e até mesmo de qual lado da cama queremos dormir. O consumidor tem o direito de reclamar do defeito do aparelho que comprou, e poderá ser ressarcido. No casamento, há direitos para ambos. O patrão e o empregado têm seus direitos.
Deus nunca nos quis “programar” para obedecê-lo. No Édem, Deus disse ao homem comer do fruto de toda arvore do Jardim, mas o proibiu de comer do fruto da arvore do conhecimento do bem e do mal; porque no dia que comesse, morreria! Neste texto, parece que não há opções, porque Deus ordenou não comer do fruto proibido. Mas Deus deu duas opções para o homem escolher: OBEDECER ou DESOBEDECER. Ele não colocou um anjo guerreiro guardando a arvore proibida... estava tão a disposição quanto as demais.
Muitos procuram desculpas, baseados no texto bíblico: “a carne é fraca” (Mt. 26:41). E com esta frase isolada, não conseguem optar em deixar os prazeres do mundo e agarrarem o que é de Deus. Por que Deus dá essa opção ao homem? É muito simples de entender, são instruções que Ele nos dá para fazer-mos escolhas inteligentes. Quando se vai à feira, por exemplo, não se pega qualquer fruta, selecionam-se as melhores porque queremos o melhor para nós e nossa família! Isto é fazer uma escolha inteligente.
O homem pode escolher entre obedecer ou desobedecer a Deus, e para cada escolha existe uma conseqüência, favorável ou desfavorável, respectivamente. Obedecer a Deus é fazer a vontade de Deus, é a luta do nosso espírito recriado contra a carne. Esta batalha, o Espírito Santo quer nos ajudar a vencer.
O filho pode dizer ao pai: ‘- Como vou saber se será prejudicial para mim, sendo que você não deixa eu tentar e sempre me manda fazer do jeito que você quer?’ Se Deus tivesse impedido Adão de pecar, certamente, este diria para Deus que não pecaria e obedeceria mesmo diante da oferta da serpente em ser conhecedor do bem e do mal. Adão diria que Deus não confiava nele e que estava pressionando-o. Deus nunca irá interferir em nossas decisões.
Jesus disse que Sua carne estava fraca, devido ao sofrimento que teria de passar e a Sua crucificação, contudo, antes Ele disse (e, ninguém costuma mencionar esta parte): “... em verdade, o espírito está pronto...” Ele não está se referindo ao Espírito Santo que estava pronto dentro Dele, se referia ao Seu espírito humano, que apesar de sua carne, ou, seu corpo que sofria já às vésperas e até soava gotas de sangue, o seu espírito que estava em comunhão com o Espírito Santo, estava pronto a cumprir a missão a qual fora enviado.
E, como aprendemos antes, devemos ler todo o contexto. Jesus, por ser DEPENDENTE de Seu Pai, permaneceu no propósito.
3. O DISCÍPULO

Alguém já olhou para você e te perguntou: “-Você é crente? Quando bati os olhos em você foi a primeira coisa que pensei! Sua fala, seu modo de vestir e andar te entregam, percebi logo de cara”.
Você ficou feliz ou preocupado? A primeira impressão é de felicidade: “-Oh! Fui reconhecido sem dizer nada!” Em seguida, vem a responsabilidade de DAR BOM TESTEMUNHO.
A TRANSFORMAÇÃO DE VIDA não é de fora para dentro, é de dentro para fora. A fala mansa, calma, só para aqueles que te conhece como crente; as roupas decentes para ir à igreja; o andar que não é sensual quando está perto de um irmão em Cristo; e a fachada está em ordem e por dentro está cheirando mal, cheio de sujeira... este não é um DISCÍPULO, SEGUIDOR DE CRISTO. Mesmo que alguém reconheça pelo exterior, o interior precisa ser analisado e cuidado: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo... porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação...” (I Co. 11:28).
Examinar a si mesmo é tirar um “raio x” do seu interior para diagnosticar o que está errado, reconhecer o pecado e pedir a cura a Deus. Aquele que vive indignamente, ou seja, sem merecer de participar da comunhão diária com Deus, está lhe reservada a condenação eterna. O que adiante viver tantos anos dentro de uma igreja e ser condenado? Cristianismo não é religião.
Nem mesmo Jesus, sendo Ele Santo e merecedor de todos os elogios, deu brecha para aceitar bajulações de incrédulos e se acomodar num falso reconhecimento exterior. Desconfie disto, tome cuidado, sem ofender ao bajulador. Certo jovem disse a Jesus:”-Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” Jesus lhe respondeu: “-Por que Me chamas bom? Ninguém há bom senão Um, que é Deus?” Nicodemos afirmou: “-Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo da parte de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que Tu fazes, se Deus não for com Ele”. E Jesus, vendo sua vida errada e de corrupção, lhe ofereceu o NOVO NASCIMENTO. Com muito amor, Nicodemos foi orientado por Jesus, e teve a oportunidade de alcançar a TRANSFORMAÇÃO de sua vida tradicionalista e religiosa, eu um SEGUIDOR DE CRISTO e de Seus verdadeiros ensinamentos que nos levam a salvação.
A mudança quando é de dentro para fora, também é percebida pelas pessoas, entretanto, a diferença é que este observador fica curioso em saber o que ocorreu e como aconteceu esta mudança e deseja para si mesmo, ou, pelo menos, dá a oportunidade de ser evangelizado. Como aconteceu no segundo caso acima, com o Nicodemos. Não é impossível disto acontecer, só que os crentes se preocupam muito e exageradamente, com a aparência externa (que, aliás, é muito importante também, mas, não é essencial), e ficam felizes pelo reconhecimento de alguém pelas suas obras no ministério, sendo isto um compromisso de todo discípulo de Cristo.
Os líderes do farisaísmo queriam se converter e seguir a poderosa doutrina de TRANSFORMAÇÃO DE VIDA de Jesus, e até criam nela, mas, ao mesmo tempo não queriam deixar de ser bajulados pelo povo em seus discursos empolgantes nas sinagogas, e pela aparência externa que zelavam. Disse Jesus acerca disto: “-Eles amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus” (Jo. 12:43). Não sendo percebido ou reconhecido como cristão, nossa responsabilidade é grande em dar bom testemunho e nunca envergonhar-se do Nome de Jesus e do Seu Evangelho.
Quando se é reconhecido, a responsabilidade aumenta, e agora, olhares alheios estarão observando a conduta de cristão que se deve ter! Estarão prontos para acusar qualquer falha ou vacilo e mau testemunho, provocando escândalos. Mas o SEGUIDOR DE CRISTO que é transformado não sofre pressão de olhares julgadores. Seu estilo de vida é o mesmo em todos os lugares que estiver sua conduta é sempre correta e cheia de temor a Deus.
Em alguns casos, cristãos são injustiçados pelos homens, devido a sua fidelidade a Deus.
Ouvi a história de um pastor norte-americano que durante trinta anos pastoreou uma igreja. Após todos estes anos foi substituído por um jovem pastor, e ele foi fazer missões num país africano. Certo dia, um presbítero da igreja que dirigia telefonou para o quarto de hotel em que estava hospedado, dizendo: ‘-Pastor, se eu fosse o senhor, quando eu terminasse de falar estaria arrumando as malas, e voltando para cá imediatamente!’ O pastor perguntou o que estava acontecendo e o presbítero respondeu: ‘-Saiu na primeira página do jornal que o senhor foi flagrado em adultério’.
Aquele homem de Deus ficou preocupado com isto, afinal, era uma pessoa que ficou conhecida naquela cidade e tinha um nome a zelar. Aquela calúnia teria que ser desmentida. Cancelou a conferencia que faria naquele dia e voltou aos Estados Unidos, para aquela cidade e foi direto ao hotel para orar a Deus e pedir uma direção ao Senhor. Quando terminou de orar, escreveu em algumas folhas suas justificativas, dizendo que já algum tempo não era o pastor desta igreja e não estava no país. Com os papéis prontos a mandar aos principais veículos de comunicação e imprensa em geral, o Espírito Santo falou em seu coração:
“O CRISTÃO MESMO QUANDO SOFRE INJUSTIÇAS, NÃO É ELE QUEM SE JUSTIFICA, MAS, É DEUS QUEM O JUSTIFICA. QUEM SE HUMILHA, PERANTE DEUS, SERÁ EXALTADO”.
O pastor rasgou as folhas, ligou ao presbítero e disse que estaria voltando à África, e que havia perdido seu tempo voltando, pois, ele confiou na justiça divina.
Três meses depois, voltou à cidade, quando recebeu um convite do prefeito para ir ao seu gabinete. O pastor aceitou o convite sem saber por que estava diante daquela autoridade e ouviu estas palavras: “-Pastor lhe convidei para pedir desculpas publicamente das calúnias levantadas contra sua pessoa três meses atrás...”
E todos os órgãos de imprensa publicaram o equívoco. E o homem de Deus, que foi injustiçado publicamente, também, diante de toda a cidade foi justificado.
Um exemplo bíblico que gosto muito é o do profeta Daniel. Este jovem de Deus foi constituído pelo rei Dario, da Babilônia, como seu administrador financeiro. E alguns homens que estavam acostumados com a corrupção, foram barrados pela fidelidade de Daniel com Deus e a administração dos tesouros daquele reino.
Daniel, cujo nome significa: DEUS É MEU JUIZ, foi ainda jovem levado à Babilônia e logo deu demonstrações de sabedoria naquela terra e, finalmente, subiu até tornar-se o primeiro entre três oficiais mais importantes do Império Medo-Persa (Dn. 5:29; 6:1-3). Este jovem, mesmo estando entre idólatras, corruptos e impuros, se manteve incorruptível, e Deus o recompensou. Três vezes ao dia mantinha comunhão com seu Deus, e disseram aqueles homens: ‘-Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus’. Vasculharam toda a vida de Daniel: as atitudes, os lugares onde freqüentava as pessoas com quem conversava e se relacionava e não encontraram algo que o prejudicasse e manchasse sua fidelidade. Até que descobriram  que Daniel orava a Deus com janelas abertas à banda de Jerusalém, sua cidade natal. E decidiram armar cilada para destruí-lo. E lhes abrir o caminho à prática da corrupção.
O significado de seu nome diz exatamente Quem iria defendê-lo desta injustiça. Se aos olhos de Deus você tem sido injustiçado, não se preocupe, porque Deus nos justifica.
Daniel foi apanhado em flagrante, indo contra o decreto de lei sancionado pelo rei Dario, que no espaço de trinta dias, ninguém poderia rezar ou adorar a qualquer outro deus, senão ao próprio rei. E Dario se perturbou em ter que fazer cumprir o seu edito contra Daniel, e sendo que não poderia voltar atrás, jogou-o na cova dos leões.
Você suportaria ser injustiçado e em seguida ser castigado por ter deixado de fazer a vontade dos homens, por obedecer a Deus? Se fosse hoje alguém diria: ‘-Do que adianta ser crente?’
Quando somos reconhecidos pelas pessoas e mais tarde as mesmas pessoas procuram injustamente te acusar de algo que você não faria, principalmente, por ser um cristão, mas, mesmo assim, você é seriamente advertido sem direito a se defender, o que fazer? Entregue nas mãos do Juiz dos juízes e confie. Não mude seu correto comportamento (Dn. 6:10):
“Daniel, pois, quando soube que a lei estava assinada, entrou em sua casa, e, em cima, no seu quarto, onde havia janelas abertas da banda de Jerusalém, três vezes ao dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças, diante do seu Deus, como COSTUMAVA fazer”.
Ele não resolveu orar três vezes ao dia, porque estava correndo risco de vida, Daniel não mudou seu comportamento perante Deus, mesmo diante das ameaças de morte, pois, ser lançado numa cova cheia de leões famintos era morte certa.
Deus enviou Seu anjo para fechar a boca dos leões, que não puderam fazer nenhum mal a Daniel. Este jovem profeta, através de seu testemunho de fidelidade ao seu Deus, foi justificado perante aquela nação incrédula e idólatra, e Deus a quem servia foi glorificado pelas suas atitudes. Deus se alegra com esta postura.
O SEGUIDOR DE CRISTO não envergonha o Nome do Seu Deus, e ele tem plena confiança no Mestre e nunca O abandona, mesmo nas horas mais difíceis. Enquanto há fôlego de vida, ainda poderá vir a Justiça Divina, para aqueles que acreditam e são fiéis.
Infelizmente não tem sido tão simples! Vemos crentes que se afundam em suas vidas erradas e não conseguem sair do buraco que vive. Não digo isto, apenas, no sentido financeiro, mas, principalmente espiritual e ministerial. Por que não buscam mudar? Para que continuar vivendo de aparências? Viver de elogios por obras passadas ou bajulações externas não levam a nada, a não ser para o inferno. Esta é a parada final após uma série de problemas emocionais e de caráter. Não preciso fazer rodeios procurando palavras menos duras, se a verdade, mesmo que doa primeiro em mim e depois em você que está lendo, precisa ser dita.
Ninguém é santo, obviamente, como foi Jesus em Sua rápida passagem por aqui. Somos pecadores, porém, TRANSFORMADOS por Jesus, para viver em santidade. Buscando a perfeição todos os dias e morrendo para o mundo, para a carne (o velho homem), e pisando na cabeça do diabo.
Quem era Jó? Ele era um SEGUIDOR DE DEUS? No início de seu livro lemos que Jó era um homem sincero, reto, temente a Deus e desviava-se do mal. Um homem com estas qualidades, não deixaria ninguém duvidoso de sua vida com Deus. Mas, analise comigo, tudo isto se consegue externamente, ou seja, podemos conhecer pessoas que não são cristãs, mas são sinceras, honestas, tementes por causa da religião que são adeptas desde criança (católicos, por exemplo), e desviam-se das coisas erradas. Não estou aqui contrariando o que aprendemos acerca da vida de Jó e de seu caráter perante Deus, sua família e seus amigos. Ele era sem dúvida um homem de Deus, ou não teria sua história relatada na Bíblia, como sendo um exemplo de fidelidade e paciência. Só quero usá-lo como exemplo do que tenho falado acerca da aparência externa.
Um homem com estas qualidades, depois que perdeu todos os seus bens, família e sua saúde, disse que Deus o considerava como inimigo (33:9-10). Apesar de ser sincero, reto e temente a Deus, quando era rico, Jó, também, conhecia a Deus como apenas um abençoador. Era acostumado ser reconhecido pelos amigos como sendo um homem próspero por confiar em Deus, e por isso tinha todas aquelas qualidades. Estas qualificações são necessárias, repito, em um homem de Deus, mas, faltava lhe o verdadeiro conhecimento de quem era Deus. E satanás sabia disto! A única chance que Deus teria para mudar-lhe o pensamento, era permitindo que ele perdesse tudo o que tinha.
Como discípulo de Jesus, precisamos entender e conhecer a natureza de Deus. Os pensamentos divinos são diferentes dos nossos pensamentos (Jr. 29:11).
Na miséria, doente, reconheceu o que lhe faltava. Agora, Jó teria que ser curado.
Os amigos de Jó não poderiam pensar que ele era rico por ser sincero, reto, temente e desviava-se do mal, e por outro lado, não poderiam pensar que ele perdeu tudo porque havia pecado para morte. Nós não servimos a Deus por aquilo de material que Ele nos dá – se fosse assim, poderíamos pensar que Deus subornava Seus servos para segui-Lo-e, nem pelo medo do pecado, pelo contrário, servimos ao nosso Deus pelo que Ele nos representa. Ele é o nosso Senhor e Salvador. Se alguém está freqüentando a igreja, recebeu o apelido de crente com o intuito de ser rico... então, não está vivendo como um discípulo do Senhor. Deus enriquece Seus servos por causa de Seu infinito amor e bondade.
Nunca Deus considerará o servo Dele como inimigo. O homem sim, pode se tornar inimigo de Deus, além do mais, o que torna o homem inimigo de Deus é o pecado e não o homem em si. Quando reconheceu seu erro e se humilhou, e fez a oração abaixo, Deus lhe devolveu em dobro tudo o que antes possuía (42:2-6):

“-Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Quem é aquele, como disseste, que sem conhecimento encobre o conselho? Na verdade falei do que não entendia; cousas maravilhosas demais para mim, cousas que eu não conhecia. Escuta-me, pois, havias dito, e eu falarei, e Te perguntarei, e Tu me ensinarás. Eu Te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos Te vêem. Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza”.

Linda oração! As experiências de Jó abriram-lhe os olhos para a santidade de Deus (42:5); levando-o, através dela, a um auto-conhecimento e auto-julgamento. Jó passou a conhecer a Deus pelo que Ele é e representa, e não por aquilo que Ele dá. Foi o mesmo que aconteceu com o filho pródigo, que reconheceu que na casa de seu pai estava seguro, não só financeiramente ou que tinha comida em abundancia, mas, estava seguro dele mesmo, estando debaixo da autoridade de seu pai.
O Senhor não está única e exclusivamente com os ricos e prósperos, Ele está em todos os corações que O recebeu e opera mudanças em suas vidas. E, se depender Dele, todos os servos se tornarão pessoas ricas e prósperas na face da terra. Existem promessas bíblicas para isto: “Se quiserdes, e ouvirdes, comereis o melhor desta terra” (Is. 1:19).
Conheça a Deus andando com Ele, de acordo com o ensinamento de Jesus e ministrado pelos apóstolos. A mudança de dentro para fora depende de nós mesmos. Sabemos que o Senhor Jesus é o nosso Espelho, e Sua Imagem deve ser refletida em nós. A TRANSFORMAÇÃO VEM DE DEUS EM NOME DE JESUS; o discípulo de Jesus age como Seu Mestre. 

  1. ROMANOS 12


Neste capítulo de Romanos está tudo o que precisamos saber acerca desta mudança e transformação. O apóstolo Paulo – homem transformado de perseguidor e religioso em perseguido e discípulo – escreveu esta epístola aos irmãos de Roma, quando de sua passagem por Corinto. Foi acertadamente colocada em primeiro lugar porque é a exposição mais completa do Novo Testamento sobre as verdades centrais co Cristianismo. A epístola aos romanos expõe a provisão divina da graça de Deus através da qual Ele pode declarar os pecados justificados mediante a obra expiatória do Seu Filho Justo. Ela prossegue expondo a natureza da Nova Vida que todas as pessoas justificadas podem desfrutar, através do poder do Espírito Santo que habita nelas (vs. 1-2):
“Portanto, meus irmãos, por causa da grande misericórdia divina, peço que vocês se ofereçam completamente a Deus como um sacrifício vivo, dedicado ao seu serviço e agradável a Ele. Esta é a verdadeira adoração que vocês devem oferecer a Deus. Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os TRANSFORME por meio de uma completa mudança da mente de vocês. Assim vocês conhecerão a vontade de Deus, isto é, aquilo que é bom, perfeito e agradável a Ele”.
Oferecer-se a Deus, completamente, como sacrifício vivo, santo e agradável é o primeiro passo da mudança. No Antigo Testamento, os homens ofereciam animal, cereal ou bebida como sacrifício para que Deus os purificasse e os aceitassem (Lv. 5:15; 6:14; 23:13). Agora o sangue de Jesus nos purifica.
O segundo passo é a mudança da mente. Com a mente renovada em Cristo, e de Cristo, alcançamos a transformação. Assim, deixamos de pensar que somos melhores que alguém, e tratamos a todos com humildade e respeito (v.3). E aprendemos a sermos unidos com nossos irmãos, que fazem parte do mesmo Corpo de Cristo que nós (v.5). Usamos os dons que o Senhor nos deu com toda a fé, seja o de: pregar, servir, ensinar, exortar e liderar. Que tudo seja feito com alegria, e com o Verdadeiro Amor, fazendo o que é bom (vs.7-9).
“Amem uns aos outros com o Amor de irmãos em Cristo e se esforcem para tratar uns aos outros com respeito” (v.10).
Não deixando o desanimo nos dominar, antes, trabalhemos com entusiasmo e coração cheio de fervor. Se alegrando mesmo em situações tristes e difíceis, colocando nossa esperança em Deus e orando sem cessar. Dando aquilo que nosso irmão necessita, e sendo hospitaleiros (vs.11-13).
Ao se levantarem pessoas se declarando inimigas e começarem a te perseguir, não as amaldiçoem, pelo contrário, peça a Deus que as abençoe (v.14). Sua União com seu irmão em Cristo, aparece quando eles estão tristes e também quando estão alegres (v.15). Sem nenhuma sabedoria humana, com propósito de humilhar alguém, mesmo que o irmão te decepcione, não pague o mal que ele te fez com mal e sim com o bem. Outros verão sua atitude e te admirarão e conhecerão o Deus que o fez assim. Nunca se vingue de ninguém, deixa por conta Daquele que justifica Seus filhos (vs.16-18).
Faça como dizem as Escrituras (v.20):
“Se o seu inimigo estiver com fome, dê comida a ele; se estiver com sede, dê água. Porque assim você o fará queimar de remorso e vergonha”.
O SEGUIDOR DE CRISTO é vencedor pelo bem que pratica (v.21).
Peça ao Espírito Santo lhe ajudar, te dar forças e sabedoria para conseguir realizar a vontade de Deus, e viver conforme Jesus nos ensinou a viver, e a ajudar ao próximo e andar com Sua poderosa doutrina de TRANSFORMAÇÃO DE VIDA.
Lembre-se que muitos querem Jesus, mas, não aceitam Suas vontades, impossibilitando Deus de transformá-lo. A mudança é gerada dentro de você. Permita que isso aconteça.
Reflita em cada mensagem, cada texto, histórias e comparações que coloquei neste livro com a orientação do Espírito Santo e busque a mudança.
Nunca deixe de ler a Bíblia Sagrada diariamente! Ler livros é bom e necessário, mas, a leitura da Palavra de Deus é imprescindível e insubstituível. Ali (na Bíblia) você encontra o que precisa para mudar e se tornar um DISCÍPULO, legítimo SEGUIDOR DE CRISTO.


autor: Pr. Marcelo Donisete

LIVRO SEGUIDOR DE CRISTO: CAPITULO 11



JESUS, CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO



O AMOR UNIFICADOR


Caminho significa: DIREÇÃO, RUMO. Jesus nos dá a direção certa, o cristão segue o rumo de Seu Mestre. Para nós, cristãos, caminho significa: MANEIRA DE AGIR.
A via por onde chegamos ao TRANSFORMADOR DE VIDAS, é o AMOR, e não é um amor comum ou passageiro, é o AMOR UNIFICADOR.
Apesar de muitos ainda estarem longe deste AMOR que unifica, onde não há o ‘ego’, e sim a “UNIDADE” – mesmos pensamentos e objetivos – não há motivos para desistir. Jesus muda esta situação! Ele é O Caminho!
Onde há união, há prosperidade, edificação, compreensão, sucesso espiritual e ministerial! Veja como exemplo as pessoas que se unem em mutirão, para construírem suas casas, e, com isso, resgatarem sua dignidade perante a sociedade. Podemos mostrar para o mundo que: “Deus enviou Seu Único Filho, e todos aqueles que acreditarem Nele serão salvos” (Jo. 03h16min). Se nos unirmos neste Amor Sobrenatural de Deus, faremos muito...
Há um preço a ser pago, nada é fácil, em tudo existe um grau de dificuldade, porém, não é impossível, e pode ir exatamente contra nossa vontade, contudo, somos recompensados ao permitir a mudança de hábito e de atitudes erradas, buscando a perfeição em Jesus, Ele nos ensina a amar, mesmo estando com problemas.
Não importa se as dificuldades chegam a um ponto quase insuportável, pois, confiamos Naquele que pode todas as coisas.
A UNIDADE é a qualidade do que é UM. O número 1 não pode ser dividido. A UNIÃO é uma ALIANÇA, um casamento, uma concordância harmoniosa. Os cristãos se unificam, reúne-se em UM só Corpo, o CORPO DE CRISTO. Em Atos 4:32, diz que era UM o coração e a alma da multidão de discípulos, e tudo que possuíam lhes eram comum, porque dividiam uns com os outros.
Não é da noite para o dia a TRANSFORMAÇÃO DE VIDA, é gradativa. Deus irá através do Espírito Santo, tratar de todas as áreas de sua vida, e isso pode levar muitos dias e até anos. Não fique esperando o melhor momento, a hora é esta, é agora.
Deus tem uma proposta de vida para os que são Seus servos, mas, Sua proposta de VIDA está baseada em uma condição ao Seu povo: de AMAR o seu irmão e de estar COMPROMETIDO com Ele. Devemos andar conforme o que temos aprendido nas Palavras do próprio Jesus. Infelizmente, a cada dia o homem se distancia de Deus para viver segundo sua própria vontade, e fazer o que bem entende. Não quer compromisso assumido com Deus! Os crentes querem estar bem em toda a sua vida, seja ela: financeira, familiar, profissional, física e psicológica; e esquecem da proposta de Deus a todo ser humano: vida ou morte, o bem ou o mal, benção ou maldição, e o homem escolhe o caminho a seguir: “Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele é caminho de morte” (Pv. 14:12).
Quando Deus nos faz uma proposta de vida, temos que ter um espírito de renuncia, e fazer o que Deus quer que façamos. O nosso coração pode estar naquilo que julgamos ser importante... basta olharmos o que fazemos durante o dia. Aplicamos nosso coração naquilo que se acha conveniente e importante, mas, temos que ver as coisas no ângulo da visão de Deus.
Existem dois reinos espirituais em conflito: o Reino dos Céus e o reino das trevas. Mundos invisíveis que vivem em peleja para levar os homens à salvação ou à condenação eterna, respectivamente. E a maioria dos cristãos vive apenas 50% do Evangelho, sendo assim, não vivem 100% do gozo celestial aqui na terra, não vivem das promessas do Reino dos Céus. Se bem que, bens materiais não devem nos alegrar mais do que nossa salvação, o gozo pleno celestial deve estar no nosso espírito, é preciso rever os verdadeiros valores de nossa vida.
O que nos traz mais satisfação é do interesse de Deus?
Se tivermos interesse total em Deus, para andar na Sua vontade, Deus também terá interesse em nós, e nos transformará.
Há um engano no pensamento de muitos evangélicos, quando acham que Deus tem compromisso em nos salvar, pelo contrário, as portas do Reino dos Céus estão abertas para quem de livre e espontânea vontade quiser entrar. Deus já fez Sua parte quando enviou Seu Único Filho, Jesus Cristo, para morrer por nós, e com este sacrifício nos remir e garantir nossa entrada nos céus e no gozo celestial. Agora devemos fazer a nossa parte, obedecendo a Seus Mandamentos e andando conforme Seus ensinamentos, UNINDO nosso coração e nossas atitudes condizerem com a de Jesus, quando de Sua passagem aqui na terra como homem comum. O AMOR UNIFICADOR contribui para que haja esta transformação! Porque quando não há interesses próprios, e sim, interesse nas coisas de Deus, e AMANDO nosso irmão e o próximo, como fez Jesus, abrimos a porta para a RESTAURAÇÃO. O compromisso de Deus está em fazer cumprir a Sua Palavra em nos salvar, então façamos a nossa parte agora, assumindo COMPROMISSO com Ele. Mesmo nos momentos difíceis!
As reações de medo ou fraqueza espiritual que se sente, pode acontecer com qualquer um! Não permita que satanás use essas reações para te prender e te impedir de realizar a vontade de Jesus, que é te transformar. O homem restaurado e purificado, Deus tem planos espirituais para ele, nesta vida e principalmente na vindoura. O próprio Deus dá o respaldo.
O apóstolo Paulo ganhou a Ásia para Jesus, porque dizia: “Eu posso todas as coisas em Deus que me fortalece”. Se dissermos que podemos com a ajuda de Deus, de fato nós podemos.
O apóstolo Pedro teve uma experiência ao andar sobre as águas com Jesus, isto é uma prova concreta de que nada é impossível quando estamos com Ele e confiando Nele. E temos experiência quando erramos, o segredo é não cometer duas vezes o mesmo erro. Errar gera experiências! Pedro errou quando deixou de olhar para Jesus, olhou para o vento e o mar agitado, e afundou. Jesus o socorreu quando clamou, e ambos voltaram para o barco, andando juntos sobre as águas.

Ande com Jesus e serás TRANSFORMADO! Ele é O CAMINHO.


autor: Pr. Marcelo Donisete

LIVRO SEGUIDOR DE CRISTO: CAPITULO 10




VIDA TRANSFORMADA


  1. A AGUA QUE VIROU VINHO


O primeiro milagre realizado por Jesus, logo que iniciou Seu Ministério foi: TRANSFORMAR AGUA EM VINHO. Jesus e família foram convidados para um casamento em Cana. Quando acabou o vinho, e a festa estava longe de terminar, procuraram a mãe de Jesus e esta imediatamente transferiu a necessidade dos anfitriões, àquele que poderia resolver.
Logo neste inicio pode-se tirar algo muito profundo! Muitas vezes achamos que temos provisão suficiente, porém, a provisão que recebemos não dura para sempre, é necessário ser renovada. Tinham Jesus, apenas, como convidado em sua festa, como qualquer outro, até que: A PROVISÃO CHEGOU AO FIM. O vinho não era suficiente e acabou no momento que não poderia acabar. O que fazer? Jesus estava lá, mas, é só um convidado! Há dois caminhos que levam o homem a afastar-se de Deus:
1)      Quando ele tem provisão suficiente, porém, a provisão tem o seu tempo, não dura para sempre. Provisão suficiente afasta o homem de Deus, e, se não for renovada, acaba.
2)      A necessidade de provisão! Ela pode trazer para perto de Deus, em alguns casos, mas, na maioria das vezes, leva o homem para longe de Deus. Olha-se muito para o momento!
No primeiro livro da Bíblia, há a história de dois irmãos gêmeos: um tinha a necessidade, e o outro, tinha a provisão suficiente, mas momentânea. São Esaú e Jacó (Gn. 25:27-34; 27:27-28,39-41).
Esaú tinha direito como primogênito, tinha sobre ele a promessa de herança do pai, Isaque. E Jacó, não tinha direito a herança e seu destino era viver debaixo da proteção de seu irmão mais velho, após a morte de seu pai.
Um dia Esaú voltava do campo e estava cansado e com fome a ponto de desfalecer, tamanha era a sua necessidade por comida. Jacó se aproveitou desta situação de seu irmão e propôs a troca da benção da primogenitura por um prato de comida. Jacó tinha na mente ser herdeiro das bênçãos do pai, e não pediu nenhum dos utensílios de seu irmão, que poderia ter utilidade passageira, ou seja, provisão momentânea.
Esaú encontrou com seu irmão Jacó a provisão momentânea para sua necessidade e, no momento, não sentiu as conseqüências de sua errada decisão, porém, mais tarde... anos depois, seu irmão receberia as bênçãos que seria para ele. Jacó foi abençoado por seu pai, e o que sobrou para Esaú foi: viver pela sua espada e servir ao seu irmão, além, de viver longe dos lugares férteis da terra. Quem recebe uma benção deste tipo, certamente não precisa de maldição! E a Jacó, sua benção foi:
“Deus te dê do orvalho do céu e da exuberância da terra, e fartura de trigo e de vinho. Sirvam-te os povos, e nações te reverenciem: sê senhor de teus irmãos, e os filhos de tua mãe se encurvem a ti: maldito seja o que te amaldiçoar, e abençoado seja o que te abençoar”.
A maioria dos crentes se contenta com apenas um pedaço ou uma parte da benção. Devemos abrir a mente e colocar o foco da nossa vida em Deus. Ele tem a provisão eterna que necessitamos. A fidelidade à Palavra de Deus, traz vida e benção, a infidelidade traz morte e maldição. Muitas vezes se diz que “crê”, mas o coração está longe da fé na Palavra; longe de ver o milagre de Deus acontecer. Só há operação de Deus quando falamos com o coração cheio de fé. Se fosse possível fazer um “raio x” da alma, encontraríamos o símbolo da interrogação (?) ou o símbolo da cruz de Cristo? Do que o nosso coração está cheio? A necessidade de Esaú estava afastando-o da plenitude das bênçãos de Deus. Devemos confiar na Promessa de Deus para nossa vida. Esaú disse a Jacó que estava a ponto de morrer, e do que adiantava a benção da herança do pai se estivesse morto. Isto acontece ao deixar as necessidades serem maiores do que a Promessa de Deus.
Poderíamos por um momento pensar o seguinte: que Esaú fora enganado por seu irmão, e por isto não recebeu a benção da herança. Certamente ele foi enganado... Jacó recebeu a conseqüência por seu mau caráter... mas, se lembrarmos daquele dia em que Esaú tinha uma necessidade e por causa desta necessidade desprezou o seu direito a promessa da benção do pai, trocando-a por um prato de guisado, concluiremos que esta foi a conseqüência de seu abandono da provisão eterna que havia em seu pai, Isaque, e que, consequentemente, ele seria o beneficiado, por uma provisão momentânea oferecida pelo seu irmão. Esaú recebeu o que precisava no momento em que desfalecia de fome e cansaço! A necessidade afastou Esaú da promessa.
Voltando ao casamento, em que Jesus, Sua família e Seus discípulos eram convidados; achavam os organizadores da festa que tinham provisão de vinho suficiente, e se enganaram. Maria, a mãe do Senhor, ficou sabendo que o vinho acabou e informou ao Senhor Jesus esta necessidade. Se ninguém tivesse mencionado de que havia uma necessidade, todos os convidados, inclusive Jesus, iriam embora mais cedo por causa da falta de vinho. Isto iria causar muita tristeza e os noivos ficariam desapontados, sendo uma frustração no inicio da vida matrimonial daquele casal.
O maior segredo da realização do milagre em que Jesus é o Maior Especialista (A TRANSFORMAÇÃO) está na obediência dos servos daquela casa. Eles foram orientados pela mãe de Jesus a fazer tudo de acordo com que Ele pedisse. E os servos cumpriram a ordem dada por Jesus, para encherem de água seis potes de pedra que estavam ali. Eles sabiam que tinha água, pois, eles mesmos trabalharam para isto... e obedeceram levando ao mestre-sala para provar. E este se surpreendeu com a qualidade do vinho que estava naqueles potes. Aquele era um vinho saboroso, melhor do que aquele que servia antes; mas, para chegar neste ponto, pessoas tiveram que obedecer e trabalhar pesado para encherem os potes com água (possivelmente, carregaram aproximadamente quinhentos litros de água); e, antes disso, alguém teve que falar e pedir para Pessoa certa em realizar este milagre da TRANSFORMAÇÃO. O que era água se transformou em um puro e encorpado vinho.
A TRANSFORMAÇÃO DE VIDA inicia-se com a ENTREGA TOTAL! Mesmo que muitos confundem, ainda, religiosidade com vida consagrada a Deus, você entenderá o verdadeiro propósito de Deus, através de Seu Filho Jesus Cristo, com aqueles que entregaram sua vida ao Cristianismo. A transformação de vida não é para melhorar o astral, ou levantar a moral, ou um serviço social aos carentes. Leia o que é a religião, segundo a ciência:
“Uma pesquisa realizada com médicos e cientistas norte-americanos demonstraram que aqueles que freqüentam serviços religiosos mais de uma vez por semana, vivem em média sete anos mais do que os que não o fazem. Pessoas que freqüentavam a igreja todas as semanas, tinham menos probabilidade de serem internadas e, se fossem, não passavam tanto tempo no hospital, quanto àquelas que iam à igreja com menos freqüência. Isto acontece pelo fato de aqueles que freqüentam a igreja terem uma probabilidade menor de fumar, beber ou envolver-se em comportamento sexual de risco. A religião organizada oferece uma comunidade que faz e precisa que façam por ela. E as pesquisas demonstram que pessoas isoladas vivem piores do ponto de vista físico e psicológico.”

Aparentemente, estas palavras são importantes e confortantes. Alguém diria: “-Olha! Freqüentar a igreja aumenta a expectativa de vida, traz saúde física e psicológica e vivemos melhores com relação às demais pessoas!”.
Ser religioso é melhorar a expectativa de vida, conforme a pesquisa, ou de sobrevivência. Assim mesmo, crentes pensam que na igreja estão protegidos de males físicos, psicológicos e terão vida prospera e abundante! A igreja não faz isto, ou excluiríamos o Nome de Jesus! Este sim é poderoso para isto! Mas, do ponto de vista humano, não estão errados... e, de fato isto acontece porque faz parte das promessas de Deus, a libertação, a cura e a prosperidade. O problema maior está na atitude deste beneficiado físico, psicológico e financeiramente, que, simplesmente, desaparecem... ou, se permanecem, tornam-se crentes religiosos e não querem responsabilidades com Deus e com a Igreja, buscando seus interesses.
Jesus quer nos transformar em Seus amigos, descontaminados da corrupção do mundo, da carne e do diabo. Livres de todo tipo de religiosidade e vivendo o verdadeiro e puro cristianismo.
O primeiro milagre que Jesus quer realizar na vida de qualquer pessoa que O aceite, crê e O obedeça é a: TRANSFORMAÇÃO DE VIDA. O NOVO NASCIMENTO ensinado a Nicodemos, é uma transformação de vida, é uma mudança radical das antigas práticas, para uma vida dirigida por Deus.
Se como cristão você sente que sua vida está como a água: insípida, incolor e inodora; não se preocupe, Jesus quer mudar isto. Basta obedecer seguindo à risca o que Ele ensinou. E Ele te transformará no vinho com: sabor, cor e cheiro agradável.
O crente que sua vida é como a água (metaforicamente) não é feliz. Veja os exemplos:

a)      INSÍPIDO

Sem sabor, desenxabido, tedioso e monótono! É assim que muitos desistem. Abandonam Jesus por não suportarem a rotina tediosa e monótona de suas vidas. Suas mentes são passivas ao ataque do diabo, e facilmente caem nas tentações da carne e do mundo. Jesus ensinou aos Seus discípulos que: “Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens.”.
Crentes insípidos são desanimados e são pisados, ou seja, humilhados por incrédulos a ponto de não suportarem. A rotina que causa tédio é como a tradição: repetitiva e insuportável. Como SEGUIDORES DE CRISTO, devemos viver em novidade de vida! Quando se perde a confiança em Deus é porque está vazio Dele. Não conseguem agir contra isto, ou se levantar e procurar algo diferente; e não encontram quem os anime, devido ao seu isolamento. Não tem vida para transmitir, aliás, a falta de sabor o abate. Jesus ensinou que somos “sal”; nada tem mais sabor que o sal. Quando Jesus nos TRANSFORMA no SAL DA TERRA, temperamos nossa vida. O que seria de um delicioso bife, se não tivesse sal para dar-lhe sabor? Ao nos tornarmos SAL a monotonia acaba, damos adeus ao tédio.

b)      INCOLOR

Sem cor; sem opinião determinada! Paulo instruiu seu discípulo Timóteo a: manter a fé e a boa consciência, porquanto alguns tendo rejeitado a boa consciência vieram a naufragar na fé (I Tm. 1:19). Manter a fé e a consciência limpa é difícil para quem não teve um ENCONTRO COM DEUS, e não segue as Palavras de Jesus, no tocante aos Seus ensinamentos. Do inicio de Sua Vida como ser humano comum, à Sua ascensão, Jesus se manteve no Seu propósito e fazendo a vontade do Pai que O enviou. Cristão tem opinião formada acerca de Jesus e tem como propósito seguir Sua doutrina.
Ainda a Timóteo, Paulo disse: “Ora, o fim do Mandamento é o AMOR de um coração puro, e de uma consciência limpa, e de uma fé não fingida. Do que, desviando-se alguns, se entregaram as vãs contendas” (I Tm. 1:5-6).
O crente-incolor tem facilidade de mudar de opinião; deixa de acreditar no que aprendeu e que é verdadeiro, para crer naquilo que lhe faz bem ao ego. Não mude de opinião referente à fé em Cristo, ou, quando for orientado pelo seu líder, não queira colocar sua própria opinião mudando o que foi ensinado. Ser incolor, é ser rebelde e inconveniente (I Sm. 15:23).

c)      INODORO

Não tem odor (cheiro): “... apresenteis os vossos corpos, em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus...” (Rm. 12:1).
A nossa vida precisa ter cheiro agradável ao Senhor. O nosso louvor, a nossa oração, o nosso jejum, a nossa comunhão com Espírito Santo (II Co. 2:15-16) serem agradáveis ao Senhor. O pecado mancha e causa mau cheiro, por isso, Deus não suporta. A santidade exala um aroma suave e agradável a Deus. O Senhor fez o ser humano perfeito: ao nascer, está sem pecado e desprovido da malícia, do orgulho, do egoísmo, sendo puro. Nasce do pecado, mas, não é pecador até que tome consciência disto, e o mundo os torna: “Amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela...” (II Tm. 3:2-5).
O vinho (puro suco da uva) é saboroso, sua cor é avermelhada e seu aroma é agradável. Jesus é a VIDEIRA VERDADEIRA (Jo. 15), Ele diz: “Vós já estais limpos pela Palavra que vos tenho falado” (v.3). O cristão está ligado, grudado em Jesus, tornando-se vara da vide. Limpo de todo pecado, nascido de novo, restaurado e pronto para dar bons frutos. Nascerão cachos de uvas e não potes contendo apenas água. Mas, se porventura, és ainda um pote de água... alegre-se... Jesus te transforma em vinho. E você transmitirá ao seu irmão e ao seu próximo uma palavra saborosa – que as pessoas precisam ouvir, uma opinião convicta na Palavra de Deus – passando total confiança, contendo cheiro agradável a Deus – sem pecado.



autor: Pr. Marcelo Donisete

LIVRO SEGUIDOR DE CRISTO: CAPITULO 9




A VIDA NO CRISTIANISMO



  1. CRISTO: A ÚNICA SALVAÇÃO


Todas as pessoas têm o direito de cultuar da forma que bem quiserem o seu deus, escrevo minúsculo, pois o verdadeiro Deus não pode ser comparado aos deuses que a Sua Palavra bem descreve. Como cristão que crê na Palavra revelada do Senhor, Bíblia Sagrada, não concordo com a atitude de alguns que torcem a Palavra de Deus em proveito próprio, e afrontam outros que não crê no Senhor Jesus:

“E, tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição. Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados e descaiais da vossa firmeza” (II Pe. 3:15-17).

Não podemos desrespeitar aqueles que optam por seguir os seus próprios caminhos, mesmo que creiamos que sejam caminhos de morte, como a Palavra diz em Provérbios (14:12). Após conhecer a salvação que só há em Jesus, tendo sido resgatado das trevas, tenho como responsabilidade, ou melhor, como privilégio a oportunidade de alertar àqueles que ainda não conhecem a grande alegria que é ter a paz verdadeira.
O mundo jaz no maligno! E aquele que hoje é o príncipe deste mundo; deseja a todo custo cegar os olhos daqueles que estão enredados e enganados pelas suas artimanhas e mentiras (Jo. 8:44), sabe que o seu fim está próximo, e na sua agonia desesperada, busca levar o maior número de pessoas com ele (principalmente cristãos), e aqui não posso ficar buscando meios termos, ou soluções mais agradáveis às pessoas em que acham de sua salvação depender de si próprios, ou de seus méritos e esforços, ou daquilo que passa por sua mente e lhe é agradável, pois, lhe faz bem ao ego. Não se engane! Jesus veio ao mundo a primeira vez, com uma única finalidade, para morrer e com Seu precioso sangue pagar o preço que nenhum de nós, pecadores, poderia pagar, para termos a Vida Eterna.
Na próxima vez, em que todo olho O verá, (após o arrebatamento da Igreja) Ele virá em glória, das nuvens, mas agora como Senhor e Rei, para julgar a este mundo e para reinar eternamente com os Seus que são aqueles que O tem como Senhor. O Seu sacrifício só é válido para aqueles que, pela fé, crêem no Seu Nome e O aceitam como seu pessoal Salvador e Senhor. E a Igreja que é composta pelos salvos no Seu sangue, não pode se furtar a proclamar aos quatro cantos da terra que: JESUS CRISTO É O SENHOR (At. 4:12). O sangue daqueles que não foram salvos porque deixamos de alertar e de avisar que só em Jesus há salvação será cobrado de nós (Ez. 3:17-21), então não podemos deixar de alertar àqueles que estão sendo enganados por satanás, crentes ou incrédulos, mesmo que isto nos custe o único horário de folga, ou aquele feriado que seria para o lazer pessoal e da sua família, abrindo mão do descanso e outros interesses.
Tantos vivem sem este Deus maravilhoso, dando ouvidos aos cantos das sereias deste mundo: seitas esotéricas, seitas espíritas e outras que querem enganá-los, pois os mesmos já o estão sendo e crêem cegamente nestas “verdades” que levam ao inferno; também o movimento chamado “nova era”, que tem preparado o mundo para o  anticristo. Que o façam, mas nós precisamos avisar o mundo, e, este é um privilégio que é dado aos filhos de Deus; nem os próprios anjos do Senhor, que desejariam anunciar Jesus o podem fazer. O Senhor tem nos dado esta dádiva: de anunciar as BOAS NOVAS que há em Jesus, e creia a Igreja do Senhor não vai calar; vai falar cada vez mais alto que só em Jesus há salvação. Vai usar de todos os meios lícitos que Jesus nos tem dado e nos permitido usar: televisão, rádios, jornais, revistas, livros, folhetos, enfim, tudo!

  1. ATALAIA


Deus constituiu Ezequiel, o profeta do Antigo Testamento, como Seu atalaia sobre o povo de Israel: “Filho do homem: Eu te dei por atalaia sobre a Casa de Israel; da Minha boca ouvirás a Palavra, e os avisarás da Minha parte”. E durante alguns minutos estive meditando na importância deste título dado por Deus a um profeta e sacerdote de Anatote, e pude perceber que era algo de muita responsabilidade. E o apóstolo Paulo percebeu isto (I Co. 9:16): “-Porque se anuncio o EVANGELHO, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta esta obrigação: e AI DE MIM SE NÃO ANUNCIAR O EVANGELHO”.
Atalaia era uma pessoa incumbida de vigiar ou tomar conta de algo, ou seja, seria um guarda ou vigilante. Ezequiel era uma sentinela de Deus, atento aos pecados do povo. Ao povo israelita, que estava em terras estranhas, exilados na Babilônia, muitas vezes Deus mandava mensagens tão duras por meio de Ezequiel, que este recebia ameaças de morte e vivia em situações de perigo. E sendo ele um atalaia de Deus, não podia fugir do seu compromisso, afinal, ele foi antes preparado para este ministério, tendo um ENCONTRO PESSOAL COM DEUS (Ez. 2:9,10; 3:1-4).
O próprio Deus preparou antes Seu atalaia, deu-lhe de comer um livro que simboliza a Palavra de Deus. Apartir daí, Ezequiel saberia o que seria seu ministério. Ele recebeu de Deus a mensagem contra os pecados e a rebeldia israelita. E como atalaia, sua responsabilidade em abrir os olhos do povo acerca de seus pecados, era grande tendo em risco sua própria salvação (Ez. 3:18-19).
Em uma madrugada, acordei às 03h00minH e estava confuso, por causa do sonho que tive. Era muita informação misturada em minha mente, mas, este sonho se tornou uma revelação. Levantei-me e fui à minha sala com caderno e caneta em mãos. Orei e pedi ao Espírito Santo me fazer lembrar detalhadamente tudo o que aconteceu, para que pudesse escrever e nunca mais esquecer. Segue o sonho:

Eu estava na Igreja participando de uma reunião muito avivada. Havia uma jovem do grupo de louvor que cantava e tocava seu violão. Toda atenção se voltava a ela, devido a sua perfeição em louvar a Deus e ministrar ao povo. Depois, em uma tarde, estava conversando com quatro jovens e de repente entrou uma senhora, obreira, e nos deu a triste notícia de que aquela jovem do grupo de louvor havia falecido. Lembro-me que todos ficaram apavorados e indagavam: ‘-Faleceu? E agora? O que faremos?’ Fiquei triste com esta notícia, mas, também, sem entender o motivo da reação explosiva que aqueles jovens tiveram, e o desespero que tomava conta deles, como se o mundo fosse acabar naquele momento. Normalmente, nestas situações nos sentimos abalados emocionalmente e cheios de sentimentos; era alguém que falecera na flor da sua juventude, não era de se esperar aquelas atitudes de revolta, da parte deles. Mais tarde, aquela obreira sai dos fundos da igreja e avisou: ‘-O corpo estará sendo velado na secretaria’. Nenhum de nós teve coragem de ir ver o corpo no caixão e permanecemos ali. À noite, o grupo de jovens que estavam comigo, recebiam ligações dos demais membros da igreja, nos informando que por causa desta morte, não teria sentido e nem porque a igreja continuar com suas portas abertas. Sinceramente, estranhei esta decisão e perguntei: ‘-Por causa da morte, a igreja vai fechar?’ Só que para os outros era absolutamente normal que isso acontecesse. Na minha mente imatura (no sonho), não concordava, mas me contentei e fiquei quieto. Aquela senhora obreira, mais uma vez sai dos fundos da igreja e nos avisa que o caixão estava aberto, e que poderíamos ver o corpo, e de novo, não tivemos coragem, e permanecemos sentados e conversando. As horas foram passando e começaram a chegar mais pessoas, membros da igreja para o velório, mas se sentaram e discutiam a respeito do fechamento da igreja. Fui me envolvendo em tantas histórias que contavam acerca do que aconteceu com a jovem, e fui entendendo a importância que ela tinha para igreja. Aos poucos, também comecei achar não ter mais sentido continuar, devido esta ausência. Já era tarde da noite quando avisei alguns irmãos que ia embora e minha lembrança da jovem será de quando estava viva. Um casal e sua filha me acompanharam dizendo que também iam embora, quando estávamos chegando à porta, aquela obreira saiu dos fundos pela terceira vez e disse: “-Estão para lacrar o caixão, ainda dá tempo de vocês verem o corpo”. Agora me veio coragem, e quando estava indo, a filha do casal que iam embora me acompanhou. Eu estava na frente e a moça atrás, notei que ela já vinha chorando. Quando abri a porta da secretaria e olhei me espantei...!!! A jovem estava no caixão e sua aparência era como a de um anjo! Brilhava! Era luz! Após alguns minutos que estava olhando fixamente, me assustei ao ver e sentir a respiração dela. Sentia em mim sua respiração, achei que estivesse ficando louco. Como que um defunto pode estar respirando? Eu pensei! E chegaram mais três ou quatro pessoas também chorando, e ninguém percebia, ninguém via o que eu estava vendo. Então, comecei a me alegrar e sorrir no meio daqueles que estavam tristes, uma alegria sem explicação tomou conta de mim, e eles não entenderam a minha reação. Eu, contudo, sabia que ela estava viva. Naquele momento, a moça do caixão levanta o tronco e senta. Comecei a pular de alegria, dizendo: “-Eu sabia! Eu sabia que estava viva!” Os outros ao ver o que aconteceu ficaram por alguns segundos calados e espantados, como estátuas no meio da sala, e demoraram se soltar, e acreditar no que seus olhos viam. Enquanto isso, eu pulava e gritava, e a jovem me olhando, o máximo que ela fazia era sorrir. Foi quando a alegria contagiou os demais, e num impulso, tomei a jovem e tirei-a do caixão. Saímos juntos daquela sala dos fundos, e quando entramos no salão da igreja me espantei ao ver uma multidão. Quando fui para sala onde estava o corpo, não havia mais do que dez pessoas. Mas, agora, uma multidão lotava o templo, e todos conversavam entre si como se uma reunião tivesse terminado naquele instante. O estranho é que ninguém percebia nada e eu não conseguia gritar, ou falar com alguém, fui tomado de uma repentina rouquidão e as pessoas me ignoravam. Então, fui até o meio do salão, cansado por tentar falar com um e com outro sem ser percebido, e tirei forças de onde não tinha para dar um grito: “-Gente! Ela não está morta, está viva!” Parecia, para mim, que ninguém iria escutar, o barulho era muito alto das pessoas conversando, mas escutaram sim. Todos olharam para quem estava comigo e começaram dar glória a Deus, outros a bater palmas e se alegrarem. Só tinha um detalhe! Ninguém chegava perto de mim ou da jovem. E eu continuei andando no meio daquelas pessoas, que continuavam felizes, mas, não se aproximavam para falar com a jovem ressuscitada. Fui um por um, convencendo-os de que havia acontecido um milagre. E um a um, se aproximavam, e estes iam convencer os demais. Foi quando acordei...

Compreendo agora, que todo cristão é um atalaia de Deus para mostrar ao mundo seu pecado. Mostrar aqueles que são crentes que a religiosidade não salva; e, pregar a salvação e o arrependimento, o amor e o perdão a toda criatura. O próprio Jesus nos deu Seu exemplo, Ele mostrou os pecados da samaritana, que vinha buscar água no poço. E ela arrependeu-se e tornou-se uma evangelista na sua aldeia. Ao gadareno, Jesus livrou-o dos demônios que o tornaram um animal irracional, e ele tornou-se um pregador nas cidades da região de Decápolis (região esta com dez cidades: DECA=dez POLIS=cidades). A primeira parte da missão de Jesus era reconciliar a criatura com o Criador. A segunda era tirá-la das garras do diabo. Jesus era um ganhador de almas. O mesmo Espírito que estava sobre Jesus, está em cada cristão para pregar o Evangelho. Ele era apenas UM, preso em um corpo, após Sua ressurreição, Sua ascensão e a descida do Espírito santo, Jesus se multiplicou nos Seus discípulos do primeiro século, e em todos os outros através do tempo até chegar a nós.
Neste sonho, obtive uma experiência daquilo que a Bíblia nos ensina; que todos os cristãos são chamados para a conquista de almas... uns mais, outros menos... esta é a obra de Deus, ganhar almas e torna-las discípulas de Jesus.
A jovem que falecera no sonho, representava a VIDA da Igreja. Não havia motivos de continuar com as portas abertas, uma igreja sem vida, vivendo religiosamente. Infelizmente, poucos perceberam isto, e quando falta algo tão importante e essencial se desanimam e não se encorajam em ir buscar, a fim de recuperar o que perdeu. Deus não faz nada se não fizermos primeiro nossa parte. No sonho, quando tomei coragem e fui determinado atrás da Vida, ela, de fato, não estava morta; a morte não tem domínio sobre a Vida. Ao te-la conquistado, as pessoas se alegraram, porém, alguém tem que mostrar-lhes a importância de se aproximarem e participarem da Vida, deixar-se contagiar por ela, afinal, é a VIDA que Jesus nos proporciona, e nos deu o privilégio.
Como SEGUIDORES DE CRISTO, não temos que viver cabisbaixos, tristes, desolados, sem esperança, com medo!!! Vá ao encontro da VIDA. Utilize-a! Cristo nos ordenou a fazer isto e já fomos capacitados por Ele em Marcos 16:15-18: “IDE POR TODO O MUNDO, PREGAI O EVANGELHO  (Vida para os mortos espirituais) A TODA CRIATURA...”
Quando aquela senhora obreira avisou pela terceira vez que o caixão iria ser lacrado, mas ainda daria tempo de ver a VIDA, foi uma revelação muito clara para mim. Ainda dá tempo para que todos saibam e conheçam a VIDA. Não a vida que o mundo proporciona... mas a verdadeira VIDA que preenche o vazio da alma.
A capacidade já existe em nós cristãos há centenas de anos. Esta VIDA irá te encher, e auxiliará outros a se encherem. Lembra que no sonho as pessoas se alegraram quando perceberam quem estava comigo? Agora, não basta alegria, é necessário haver crença: “Quem crer e for batizado será salvo”.
 A VIDA da IGREJA de Nosso Senhor Jesus Cristo é o EVANGELHO. Quem não evangeliza, não tem vida em Jesus. Nunca sentiu o gozo que é conduzir alguém a aceitar Jesus, e firmar os passos deste tornando-o um discípulo. O oxigênio da Igreja é o EVANGELISMO. Sem as BOAS NOTÍCIAS, qualquer denominação pode fechar suas portas. Não há porque continuar aberta, sem VIDA, sem evangelismo, sem ganhar almas.
Sempre se ouve mensagens poderosas acerca do tema: EVANGELISMO, e as pessoas se alegram, pulam, dão glória a Deus, se emocionam, e, depois de algumas horas voltam à mediocridade, à mesmice; vivem frustradas e desanimadas, pensando em desistir, abandonar o cristianismo.
Nunca pensa que você não consegue! Dentro de você está a capacidade para este propósito, em Nome de Jesus: “... expulsar os demônios, pegar em serpentes, beber algo mortífero (sem saber) e curar os enfermos...” O Espírito santo colocará palavras em sua mente, basta você abrir a boca e falar com ousadia.


  1. EVANGELHO


Evangelho são BOAS NOVAS! Por isso, como SEGUIDORES DE CRISTO, outros precisam conhecer essas BOAS NOTÍCIAS através de nós. Como? Simples! Pelo testemunho pessoal.
Testemunhar a respeito dos milagres de Jesus escritos nos quatro Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João), de Seus sermões com as multidões e com Seus discípulos em particular, e, principalmente, o testemunho pessoal de transformação de vida.
Não existem segredos ou fórmulas mágicas para evangelizar. Não há necessidade de estudos teológicos; ou saber ler e escrever com perfeição; ter um ótimo vocabulário, sabendo colocar bem as palavras; não são necessários cursos de homilética que é a arte de pregar: palavra derivada do grego “homilia” que quer dizer “o falar de Deus aos homens” – At. 20:11; ou ser um orador; ou nem mesmo ter de memorizar versículos bíblicos a princípio.
Os primeiros cristãos não tinham Bíblia (da que temos hoje, ou seja, impressa e fácil de carregar), mesmo assim, converteram milhares de pessoas a Jesus, usando o testemunho dos milagres de Jesus e suas conversões.
Infelizmente, os crentes hoje são conhecidos pela Bíblia que carregam na mão, ao invés, de serem conhecidos pelas suas obras justas e pelo testemunho, tendo Cristo como Maior Exemplo. Podendo isto se tornar em um ritual religioso, se não tiver Bíblia na mão, não há evangelismo.
A Palavra de Deus deve ser lida e guardada no coração, e no momento certo, o Espírito Santo fará lembrar daquilo que você leu e aprendeu. Nem sempre a Palavra estará na sua mão, e não por isso, quando surgir a oportunidade de falar de Jesus, deve ser falado com o que há na mente. Evangelizar não é carregar a Bíblia, e sim, testificar dela e, suas obras condizerem com o que ela ensina. Um propagador de BOAS NOTÍCIAS inicia sua abordagem no evangelismo usando seu testemunho pessoal!
Com o aprendizado bíblico gradual, o novo convertido adquirirá maior maturidade cristã. Devemos, sim, estudar profundamente a Palavra de Deus. Jesus derrotou o diabo no deserto usando a Palavra que estava gravada na sua mente. Se não agirmos assim, cairemos no erro (Mt. 22:29): “ERRAIS NÃO CONHECENDO AS ESCRITURAS, NEM O PODER DE DEUS”.
O deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos (II Co. 4:3-4), e como diz a Palavra: “o mundo jaz no maligno”, e ele tem usado estratégias para confundir a mente das pessoas a respeito do Evangelho, lançando no mundo um falso evangelho e fazendo as pessoas acreditarem que devem curtir os prazeres do mundo, sendo que está fazendo com que essas mesmas sejam escravizadas e condenadas ao inferno.
Usam textos bíblicos isolados afirmando que podem experimentar tudo, porque todas as coisas são lícitas. Querem fazer, falar, ouvir de tudo para reter o que é bom. Na verdade, deveriam admitir que não conseguem abandonar o que o mundo lhes oferece, para viver uma vida transformada por Jesus. Querem ser iguais aos incrédulos, praticando o que eles praticam, para não serem chamados de fanáticos ou de caretas.
Caro amigo leitor, nunca utilize e nem se deixe enganar por pessoas que se dizem crentes, e, na verdade, são piores que as incrédulas, que utilizam de textos isolados da Bíblia para satisfazer suas vontades e princípios malignos. Há uma classe, ou melhor, uma corja de demônios especialistas nesta área dentro da Igreja.
Li um livro de uma autora estrangeira muito conhecida, que ela era satanista e fingia ser crente, e pior, ministrava aulas de escola bíblica na igreja que congregava! Não se engane! O diabo conhece a Palavra de Deus melhor do que qualquer um no mundo. E ele procura confundir a mente dos cristãos, usando as escrituras, como aconteceu no deserto. Satanás usou textos isolados do Antigo Testamento para tentar e, obviamente, não conseguiu, confundir a Jesus.  


autor: Pr. Marcelo Donisete