sábado, 13 de dezembro de 2014

"A BÍBLIA"



          Com o surgimento de muitos ensinamentos falsos, somos forçados a elaborar um estudo mostrando algumas provas da origem divina da Bíblia. Claro que para nós crentes em Jesus não precisamos de provas arqueológicas ou históricas para mostrar que a Bíblia é a Palavra de Deus. Colocamos nossa confiança por inteiro na Palavra de Deus sem precisar de provas para isso. Quando apresentamos algumas provas da Bíblia como a Palavra de Deus, não é para crermos que ela é divina, mas porque cremos que ela é divina.
          Nos últimos dias tem surgido muitas religiões e seitas heréticas, que por meio de falsos ensinos tem acrescentado à Biblia livros ou doutrinas, querendo mostrar que a Palavra de Deus não está completa, ao passo que ela mesmo declara que nada mais precisa ser acrescentado ou deva ser retirado dela: “E a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos nestes livros; e, se alguém tirar qualquer cousa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da arvore da vida, da Cidade Santa e das cousas que se acham escritas neste livro”. (Apocalipse 22:18-19)
         Existem muitos que se levantam contra a origem da Bíblia e sua inspiração: O QUE É INSPIRAÇÃO DIVINA?
          É a influência sobrenatural do Espírito Santo, é como um sopro sobre os escritores da Bíblia, capacitando-os a receber e transmitir a mensagem divina, sem mistura ou erro. Há muitas teorias erradas com relação à inspiração divina, mas, a correta é: TEORIA DA INSPIRAÇÃO PLENÁRIA OU VERBAL. Ela ensina que todas as partes da Bíblia são igualmente inspiradas; que os escritores não funcionaram como maquinas inconscientes, mas que houve cooperação vital e contínua entre eles e o Espírito de Deus que os capacitava (I Pe. 1:20,21). Ensina que a inspiração plenária cessou após ser escrito o ultimo livro do Novo Testamento, e que depois disso, nem mesmo os escritores nem qualquer outro servo de Deus pode ser chamado inspirado no mesmo sentido.
          Jesus aprovou a Bíblia:
·        Leu a Bíblia – Lc. 4:16-20
·        Ensinou a Bíblia – Lc. 24:27
·        Chamou a Bíblia de “Palavra de Deus” – Mc. 7:14
·        Cumpriu a Bíblia – Lc. 24:44
·        Afirmou que as Escrituras são a verdade – Jo. 17:17
·        Viveu e procedeu de acordo com ela – Lc. 18:31
·        Derrotou o inimigo, afirmando que a Bíblia é a Palavra de Deus – Mt. 4:10; Lc. 4:4,8
Em cada pessoa que aceita Jesus como Salvador, o Espírito Santo põe em sua alma a certeza quanto à autoridade da Bíblia. É algo que acontece instantaneamente. Não é preciso ninguém ensinar isso. Quem de fato aceita Jesus, aceita também a Bíblia como a Palavra de Deus, sem argumentar.


A Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Seu Autor é Deus mesmo. Seu real interprete é o Espírito Santo. Seu assunto central é o Senhor Jesus Cristo. Esta atitude para com a Bíblia é de capital importância para o nosso êxito como cristãos. Nossa atitude para com a Bíblia mostra nossa atitude para com Deus. Sendo a Bíblia a revelação de Deus, ela expressa a vontade de Deus. Ignorar a Bíblia é ignorar essa vontade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário... Deus te abençoe! Compartilhe este blog e dê sugestões de publicações. Abraço!

Marcelo Donisete